Agentes de segurança de Minas e do Brasil terão prioridade na vacinação contra a Covid-19

Compartilhe:

Agentes das forças de segurança e salvamento e das Forças Armadas, grupo que vem atuando diretamente nas ações de enfrentamento à pandemia do novo coronavírus (Covid-19), foram incluídos no Programa Nacional de Imunizações (PNI), confirmou o Ministério da Saúde, em Nota Técnica divulgada nesta quarta-feira (31).

"Essa é mais uma importante vitória para os profissionais de segurança, conquista com muita luta pelo Sindicato, entidades de todo o país e parlamentares. Agradecemos o apoio fundamental do deputado federal Delegado Marcelo Freitas (PSL-MG) que, desde o início da pandemia, vem lutando com a diretoria do Sindicato para que todos os vigilantes sejam  vacinados", disse o presidente do Sindicato, Edilson Silva.

Na última terça-feira (30), em gestão junto à Prefeitura de Belo Horizonte, o parlamentar já havia confirmado a vacinação dos profissionais de segurança privada da capital.

"Agora, profissionais de vigilância de todo o estado e do Brasil poderão ser  imunizados imediatamente. O apoio do Sindicato e de toda a categoria, que confiaram em nosso trabalho, foi fundamental para essa conquista", agradeceu o deputado.

Prioridade

Nesta quinta-feira (1º), o Ministério da Saúde iniciará a distribuição das vacinas aos estados e Distrito Federal, antecipando o envio de doses, de maneira escalonada e proporcional, exclusivamente para a vacinação dos seguintes profissionais, ordenados por prioridade:

1 - Trabalhadores envolvidos no atendimento e/ou transporte de pacientes;

2 - Trabalhadores envolvidos em resgates e atendimento pré-hospitalar;

3 - Trabalhadores envolvidos diretamente nas ações de vacinação contra a Covid-19;

4 - Trabalhadores envolvidos nas ações de vigilância das medidas de distanciamento social, com contato direto e constante com o público, independente da categoria.

Nota Técnica com as orientações já foi encaminhada para os estados e Distrito Federal, para alinhar a operacionalização das ações recomendadas e assegurar a identificação correta desse público.

A coordenadora-geral do Programa Nacional de Imunizações (PNI), Francieli Fontana, ressaltou que o Ministério da Saúde tem conhecimento dos esforços desses profissionais para enfrentamento da pandemia, critério este considerado para antecipar a vacinação de parte do grupo.

“Decidimos antecipar a vacinação de uma parcela desse grupo seguindo critérios que atendam o Plano Nacional de Vacinação contra a Covid-19, levando em conta a função que cada agente exerce para o combate à pandemia”, explicou.

A identificação dos profissionais, conforme linha de atuação, deverá ocorrer em articulação com os gestores locais, bem como com as entidades representativas do grupo-alvo. A orientação é que os agentes apresentem um documento declaratório que comprove a sua atividade para receber a vacinação.

As forças de segurança e salvamento e Forças Armadas já fazem parte dos grupos prioritários definidos no Plano Nacional de Vacinação, representando um total de 948.292 profissionais.

Os demais trabalhadores que não se enquadrarem em atividades da linha de frente deverão ser vacinados de acordo com o andamento da campanha nacional de vacinação contra a covid-19, na ordem estabelecida pelo PNO. São eles: ações de apoio logístico ao PNO; transporte de insumos para áreas com alto grau de contaminação; ações de vigilância de fronteiras, espaço aéreo, espaço marítimo e controle de tráfego aéreo e marítimo; apoio a ações de combate aos crimes transnacionais e ambientais; e demais militares.

Fonte: Imprensa do Sindicato.

 

Convenção Coletiva

Convenções Coletivas

Convenção Coletiva 2021

Ver todas »

Facebook