Junho Vermelho: campanha destaca importância da doação de sangue

Compartilhe:

O Sindicato dos Vigilantes de Minas Gerais apoia a "Junho Vermelho", campanha lançada no último dia 1º, que tem o objetivo de chamar a atenção para a importância da doação de sangue.

Durante todo o mês, instituições públicas e privadas, prédios históricos e monumentos serão iluminados com a cor vermelha em diferentes localidades do país. Também serão feitas ações especiais durante a semana do Dia Mundial do Doador de Sangue, que é comemorado no dia 14 de junho.

Junho foi escolhido por ser um mês em que a temperatura começa a cair e são registradas quedas significativas nos estoques dos bancos de sangue, públicos e privados.

De acordo com pesquisa do Instituto Datafolha, em 2017 cerca de 92% dos brasileiros disseram não ter doado sangue entre junho de 2016 e junho de 2017.  Segundo o levantamento, além do recesso escolar e do clima mais frio, feriados e dias chuvosos também impactam negativamente os hemocentros, que costumam registrar queda de 30% em seus estoques no período.

Os dados também mostraram que 39% dos brasileiros admitem não saber qual é seu tipo de sangue. O estudo, que ouviu 2.771 entrevistados em todo o país, mostrou que o desconhecimento é maior entre os homens (44%) do que entre as mulheres (35%). Assim como a maioria dos jovens (52%), na faixa dos 16 aos 24 anos, também desconhecem esse aspecto de seu próprio corpo.

A recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS) é de que cada país tenha, entre 3% e 5% de sua população doadora de sangue frequente. No Brasil são coletadas 3,7 milhões de bolsas por ano, o que corresponde ao índice de 1,8%. Na Europa e Estados Unidos, esse percentual é de 5% a 7%.

A falta do estoque de sangue em um hospital pode levar ao cancelamento de cirurgias e de procedimentos. Um exemplo é o paciente que faz quimioterapia, já que, caso não receba o suporte de transfusão, poderá não resistir ao tratamento.

Além disso, pode ser um enorme prejuízo ao paciente o adiamento de cirurgias cardíacas, de transplantes de rim, de fígado, de medula óssea, entre outros procedimentos que necessitam de sangue e de plaquetas.

Uma pessoa adulta possui em média cinco litros de sangue e em uma doação são coletados no máximo 450 ml. Ou seja, é menos de 10% de todo seu sangue.

Quem deseja doar sangue vai passar por uma avaliação prévia em ambulatório que tem o objetivo de detectar alguns impedimentos, como doenças, para a doação. Essa entrevista é particular e os dados são mantidos sob total sigilo.

A doação de sangue é 100% voluntária e não causa prejuízos ao seu organismo. Uma única doação é possível salvar até quatro vidas, uma vez que o material é separado em diferentes hemocomponentes: concentrado de hemácias (glóbulos vermelhos), concentrado de plaquetas, plasma e crioprecipitado que podem ser utilizados em diversas situações clínicas.

O fato de as pessoas estarem menos propensas a sair de casa não diminui, e por vezes até aumenta, a rotina dos hospitais que atendem desde vítimas de acidentes de trânsito e da violência urbana até os portadores de doenças que requerem transfusões sanguíneas como câncer, anemia falciforme e outras patologias, incluindo os procedimentos cirúrgicos de alta complexidade, como transplantes e cirurgias cardíacas. Ou seja, a demanda de sangue permanece inalterada, apesar da redução da oferta nos estoques dos hemocentros.

Para doar sangue, entre em contato com o hemocentro mais próximo de você. O Hemocentro de Belo Horizonte fica na Alameda Ezequiel Dias, 321, no bairro Santa Efigênia. O atendimento é de segunda a sexta-feira, das 7h às 18h. Informações: (31) 3768-4500.

REQUISITOS PARA DOAR SANGUE

Existem normas nacionais e internacionais para a triagem de pessoas aptas a doar sangue, sendo que órgãos como o Ministério da Saúde e a Associação Americana de Bancos de Sangue são responsáveis por esse controle. O alto rigor no cumprimento dessas normas garante a saúde das pessoas que receberão o sangue, uma vez que ele não pode estar contaminado com outras doenças. Os requisitos para doação de sangue são:

- Estar em boas condições de saúde;

- Ter entre 16 e 69 anos. Pessoas acima de 60 anos só podem doar se já tiverem doado sangue alguma vez antes dessa idade;

- Pesar no mínimo 50kg;

- Estar descansado (ter dormido pelo menos 6 horas nas últimas 24 horas);

- Estar alimentado, por isso evite alimentos gordurosos e aguarde até 2 horas para doar;

- Apresentar documento original com foto emitido por órgão oficial (Carteira de Identidade, Cartão de Identidade de Profissional Liberal, Carteira de Trabalho e Previdência Social);

- Pessoas com menos de 18 anos precisam estar acompanhadas dos responsáveis ou com formulário de autorização.

QUEM NÃO PODE DOAR SANGUE?

No hemocentro, os principais impeditivos para doar sangue são:

- Ter idade inferior a 16 anos ou superior a 69 anos;

- Ter peso inferior a 50 kg;

- Estar com anemia no teste realizado imediatamente antes da doação;

- Estar com hipertensão ou hipotensão arterial no momento da doação;

- Estar com aumento ou diminuição dos batimentos cardíacos no momento da doação;

- Estar com febre no dia da doação;

- Levar uma criança menor de 13 anos para o hemocentro e sem a presença de outro adulto que possa acompanhá-la após a doação.

IMPEDITIVOS TEMPORÁRIOS

- Resfriado: aguardar 7 dias após desaparecimento dos sintomas;

- Gravidez: espere 90 dias após parto normal e 180 dias após cesariana;

- Amamentação (se o parto ocorreu há menos de 12 meses);

- Ingestão de bebida alcoólica nas 12 horas que antecedem a doação;

- Tatuagem/maquiagem definitiva nos últimos 12 meses;

- Situações nas quais há maior risco de adquirir doenças sexualmente transmissíveis: aguardar 12 meses;

- Qualquer procedimento endoscópico (endoscopia digestiva alta, colonoscopia, rinoscopia etc): aguardar 6 meses;

- Extração dentária (verificar uso de medicação) ou tratamento de canal (verificar medicação): por 7 dias;

- Cirurgia odontológica com anestesia geral: por 4 semanas;

- Acupuntura: se realizada com material descartável: 24 horas, se realizada com laser ou sementes: apto, se realizada com material sem condições de avaliação: aguardar 12 meses;

- Vacina contra gripe: por 48 horas;

- Herpes labial ou genital: apto após desaparecimento total das lesões;

- Herpes Zoster: apto após 6 meses da cura.

IMPEDITIVOS APÓS VIAGENS DEVIDO A CIRCULAÇÃO DE DOENÇAS

- No Brasil, estados como Acre, Amapá, Amazonas, Rondônia, Roraima, Maranhão, Mato Grosso, Pará e Tocantins são locais onde há alta prevalência de malária. Quem esteve nesses estados deve aguardar 12 meses para doar, após o retorno;

- Quem esteve nos Estados Unidos (EUA) deve aguardar 30 dias para doar após o retorno. Quem morou na Europa após 1980, verificar a aptidão para doação através do telefone 0800550300;

- Quem esteve em países com alta prevalência de malária deve aguardar 12 meses após o retorno para doar. Critério semelhante ao dos estados brasileiros com prevalência elevada de malária;

- Febre Amarela: quem esteve em região onde há surto da doença deve aguardar 30 dias para doar, após o retorno. Se tomou a vacina, deve aguardar 4 semanas. Se contraiu a doença, deve aguardar 6 meses após recuperação completa (clínica e laboratorial).

IMPEDITIVOS DEFINITIVOS PARA DOAÇÃO DE SANGUE

- Ter hepatite após os 11 anos de idade;

- Evidência clínica ou laboratorial das seguintes doenças infecciosas transmissíveis pelo sangue: Hepatites B e C, AIDS (vírus HIV), doenças associadas aos vírus HTLV I e II e Doença de Chagas;

- Uso de drogas ilícitas injetáveis;

- Malária.

Fonte: Imprensa do Sindicato, com informações do Portal Minha Vida e do Hemominas.

Convenção Coletiva

Convenções Coletivas

Convenção Coletiva 2019/2020

Ver todas »

Facebook