Sindicato convoca trabalhadores da TBI para manifestação nesta quarta, 27, na Cidade Administrativa do governo de Minas

Compartilhe:

O Sindicato dos Vigilantes de Minas Gerais convoca os trabalhadores da TBI Segurança, que prestam serviços nas escolas da rede estadual de ensino, para a manifestação que será realizada nesta quarta-feira (27), às 8h30, na Cidade Administrativa do governo de Minas, em Belo Horizonte.

“Vamos cobrar do governador Romeu Zema (Novo) que reveja a medida que põe fim no serviço de vigilância nas escolas estaduais, que ameaça o emprego de cerca de 650 pais e mães de família e deverá impactar na segurança de mais de 190 escolas e 10 superintendências regionais de ensino”, argumenta o presidente do Sindicato, Edilson Silva, que na manhã desta terça-feira (26) se reuniu com o chefe de Gabinete da Secretaria de Estado de Governo, Gustavo Henrique Vieira.

Na reunião, o governo ficou de fazer um levantamento sobre a situação e de debater a questão com Sindicato. “A abertura desse canal de debate com o governo é fundamental para apontar caminhos e formas de solucionarmos a questão. Porém, a mobilização dos trabalhadores é muito importante para darmos sequência às negociações”, acrescenta o vice-presidente do Sindicato, José Carlos, que também participou da reunião.

Audiência pública

Na manhã de hoje, a diretoria do Sindicato e dezenas de trabalhadores participaram da audiência pública realizada pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) sobre o cancelamento do contrato de segurança nas escolas estaduais. A audiência, requerida e presidida pelo presidente da Comissão de Segurança Pública da Assembleia, deputado Sargento Rodrigues (PTB), foi realizada a pedido do Sindicato.

“A audiência foi importante, pois recebemos o apoio de diversos deputados, principalmente do presidente da Comissão de Segurança Pública, que assumiu o compromisso de requerer ao governo estadual que volte atrás em sua decisão. Também ficou claro, com a fala do representante da Polícia Militar, que a PM faz o que pode, mas não tem efetivo suficiente para fazer suprir a falta dos vigilantes nas escolas. Ao mesmo tempo, vimos a frieza do posicionamento do representante do governo, que não demonstrou preocupação com a segurança nas escolas e muito menos com os empregos que estão em risco. Diante dessa indiferença demonstrada pelo governo aos vigilantes e à comunidade escolar, a saída é aumentar a pressão até a vitória”, orienta o secretário-geral do Sindicato, Romualdo Alves Ribeiro.

Confira a cobertura fotográfica da audiência pública na ALMG no Facebook do Sindicato.

Fonte: Imprensa do Sindicato.

Convenção Coletiva

Convenções Coletivas

Convenção Coletiva 2019/2020

Ver todas »

Facebook